06/02/2019
ABERTURA DE VAGAS DE TRABALHO, PODE SER CONTRATO INTERMITENTE!!!

Foto

Neste momento da vida do trabalhador brasileiro, vitimizado pelo desemprego desenfreado, promovido promovido pelo governo Temer, com as reformas infames que ele impôs à sociedade e ao trabalhador, devemos parar e refletir muito a respeito.

Veja-se. A "reforma trabalhista" tinha o objetivo de criar 12 milhões de empregos no país, até este momento, só aumentou o desemprego, e hoje temos mais de 20 milhões de desempregados!

Além disso ela "criou" a figura nefasta à sociedade do Contrato Intermitente. Sim, nefasta porque não garante nem salários nem renda e nem aposentadoria  ao trabalhador brasileiro,

Milhares de trabalhadores estão perdendo o emprego, com ganho minimamente possível para o sustento de sua família, ganhando um salario de 30 dias, ou seja, salario cheio. Por exemplo nosso piso salarial na CCT de Hotelaria em Foz do Iguaçu de R$1.355,00.

O trabalhador. que aceita o contrato(meio no desespero, ou por falta de conhecimento) não chega receber R$600,00 ou R$700,00 por mês!!!

Ou seja, só o empregador aproveita a mão de obra vasta e a sua disposição e o governo aproveita para arrecadar INSS sem se comprometer com o futuro do trabalhador na sua aposentadoria!!!

E agora? Resta a esperança de vermos aprovada uma reforma prevideciária, "menina dos olhos" do governo, minimamente patável à sociedade.

As empresas e as industrias estão em dificuldades porque vem diariamente diminuir seus clientes por estarem ou desempregados ou por estarem "trabalhando" com contrato intermintente e portanto sem poder aquisitivo!!!

 

Últimas Notícias
Notícia
19/02/2019

O senador Jorge Kajuru (PSB-GO) afirmou, nesta segunda-feira (18), durante pronunciamento em Plenário, que o deficit da Previdência Social é uma fraude contábil.

Notícia
18/02/2019

A reunião técnica de trabalho contou com a participação de dirigentes

Notícia
15/02/2019

Sob ameaça de não receber créditos trabalhistas, ex-empregados optaram pela redução.

Notícia
08/02/2019

Pela nova CLT, no caso dos danos morais, o trabalhador, ou parente próximo, recebe como indenização o salário multiplicado até 50 vezes