Foto
14/04/2021
PRESERVANDO EMPREGOS

Diante a persistência da pandemia (Covid 19) entre nós, com a ameaça de empreendimentos hoteleiros, gastronômicos e turísticos de fecharem suas portas e não pagarem seus funcionários, o Sindicato dos Trabalhadores em Turismo e Hospitalidade de Foz do Iguaçu – STTHFI, negociou com o sindicato patronal de Hoteis e Similares de oz do Iguaçu, Termos Aditivos à Convenção Coletiva de Trabalho, a possibilidade de não demissões, suspendendo os Contratos de Trabalho e mantendo o emprego ou diminuindo a carga horária com diminuição de salários, também mantendo o emprego.

Na suspensão do Contrato de Trabalho que pode ser até 31 de julho próximo, o funcionário da empresa vai receber uma garantia salarial de R$ 650,00 (seiscentos e cinquenta reais) mensal. Terá garantia no emprego pelo mesmo período de suspensão.

Os contratos de trabalho poderão ser reduzidos em até 25%(vinte e cinco por cento) em seus horário e salario correspondente. Também terá garantia no emprego pelo mesmo período de redução.

Sendo inevitável a demissão, a rescisão contratual poderá ser parcelado em até 08 (oito) parcelas, mínimas de R$ 2.000,00, com o direito de Vale Alimentação no valor de R$ 100,00 (cem reais) mensal no mesmo período de parcelamento salarial.

Multas pelo descumprimento pela empresa.

Na recontratação de funcionários, a empresa deverá dar preferência aos funcionários demitidos nesta modalidade.

Com as empresas de Turismo, estamos fazendo acordos por empresa, estabelecendo estas condições de manutenção do emprego, exceto poder demitir.

STTHFI

Últimas Notícias
Notícia
26/04/2021

O Brasil deve entrar para a lista da OIT (Organização Internacional do Trabalho) de países que serão examinados por suspeita de violar as convenções internacionais do trabalho. A lista pode ter até 40 países. No portal do Seeb-BA

15/04/2021

A Diretoria do STTHFI comunica a todos os trabalhadores de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Foz do Iguaçu e região .

Notícia
01/04/2021

No início do ano, que ainda não se anunciava trágico, havia a expectativa luminosa por vacina.

Notícia
31/03/2021

A funcionária alegou que desenvolveu as doenças ocupacionais em razão das atividades repetitivas no período de 9/6/2012 a 25/07/2015, quando trabalhou na empresa.