Foto
30/04/2018
1º de maio – Dia do Trabalho

Não temos nada a comemorar. O Governo, os políticos, com a imposição da dita Reforma Trabalhista devem aumentar somente em São Paulo a extrema pobreza em 35% este ano. O incentivo ao trabalho informal com pente fino nas politicas sociais do país, sem nenhuma politica de geração de empregos descentes leva-nos a um atraso de mais de vinte anos em todo o país.

A pobreza extrema no Brasil passou de 5,1 milhões para 11,8 milhões em três anos, ou seja, houve um aumento de mais de 130% entre 2014 e 2017. Isso significa que retrocedemos 12 anos, como se ainda estivéssemos no segundo mandato do governo da época.

A ausência dos serviços públicos como saúde e educação, são fatores decisivos para o aumento desse estado de pobreza.

O Brasil não tem mais politicas de trabalho porque elas estão sendo dissolvidas com a reforma trabalhista, se não for estancada pelo STF, ao se julgas as ADINS. Com isso, não há mais incentivo para o trabalho formal e a pessoa pode até ter uma fonte de renda, mas está sendo um trabalho desprotegido e instável que não dá segurança para ela. Isto quem afirmou foi Ieda Maria Nobre de Castro, professora do curso de Serviço Social do Centro Universitário IESB e Ex-secretária Nacional de Assistência Social do MDS.

Nossa luta deve continuar, para que um dia possamos ver o estado de direito, a democracia na sua plenitude de justiça social novamente ao povo trabalhador do nosso Brasil!

 

STTHFI

Últimas Notícias
Notícia
18/07/2018

Hoje no Brasil o desemprego, ou sua ameaça, é o que mais aflige os cidadãos. São mais de 28 milhões vivendo na penúria de não ter seu ganha-pão ou submetendo-se ao trabalho precário.

Notícia
18/07/2018

A nova lei desobriga que as homologações sejam feitas nos sindicatos, mas também não especifica onde devem ocorrer, o que abre brechas para todo tipo de absurdo.

Notícia
13/07/2018

Os brasileiros que se tornaram trabalhadores autônomos – ou seja, sem vínculos empregatícios – nos dois últimos anos tiveram rendimento médio cerca de 33% menor do que aqueles que estavam há mais tempo nesse tipo de ocupação.

Notícia
06/07/2018

“O ministro Marco Aurélio Mello destacou a importância das decisões das assembleias frente a categoria a que representa em seu pronunciamento, assinalando claramente que a definição se dá pela assembleia da respectiva categoria”, destaca o estudo.

Notícia
06/07/2018

Nem todas as pessoas com doenças reumáticas, neuromusculares ou osteoarticulares crônicas ou degenerativas, porém, vão se beneficiar da isenção. Para ter direito ao benefício é preciso que a doença tenha provocado incapacidade para o trabalho.